terça-feira, 6 de julho de 2010

Caixa de saída (1) e (2)

“Cadê?”

Oi, cara amiga! Tudo bem contigo? Espero que sim.

Sabe, estava cá pensando numas coisas... numas coisas que tu me deves... Lembra-se daquele saudoso dia em que fomos ao ZOOLÓGICO DE SÃO PAULO? Pois então, esse passeio grupal foi há anos atrás e até hoje não vi as fotos que lá tirei do pessoal que foi! Isso é inaceitável. Não posso mais admitir tamanho descaso teu, cara amiga.

Por isso, aproveite que estás de férias e passe aqui em casa portando tais fotografias. Aliás, aproveite também para trazer os negativos dessas fotos e daquelas do PARQUE DO CARMO, as do BOSQUE DAS CEREJEIRAS, que eu tirei de você em 2004. Tá lembrada que eu as emprestei a você, né?

Bem, é isso, por enquanto.

Beijos pra tu e um forte e demorado abraço!!

Aguardo resposta.

Inté mais.

BRO

...

“Hibernar é a solução”

Sabe, minha cara, ando pensando numas coisas cá comigo... numas coisas relacionadas ao nosso relacionamento fraterno. É, veja bem, disse fraterno e não amoroso. Enfim, acho, desconfio que o nosso relacionamento fraterno anda capenga, coxo, na verdade. Se num relacionamento saudável, estimulante e sincero, caminhar lado a lado, sem tropeços e sem prumo é bom sinal de amizade e estima, mas, quando fica evidente um desnível, uma sombra manca e nítida, certamente, não é um bom sinal, mau agouro na certa! E isso vem acontecendo com a gente, com a nossa casta amizade, há muito tempo. Bem sei que tu és uma mulher ocupada, com compromissos a cumprir e com prioridades a zelar. Contudo, dado o meu último telefonema a ti (ontem), e muitos outros, e, esses, sempre com as mesmas desculpas doutro lado da linha, não vejo alternativa a não ser hibernar. Isso mesmo. Você, minha cara, leu bem, hibernar. Ficarei um bom tempo (muito tempo) sem me comunicar contigo. Não agüento mais ser rejeitado, deixado de lado como um carrapato. Se minha companhia não é bem-vinda, tampouco necessária em sua vida citadina, creio ser melhor me isolar de vez de você, me esterilizar de forma paliativa.

Hibernar é a solução para dar cabo de meus tormentos afetivos.

É isso. Inté um dia adiante, minha cara.

Não aguardo resposta.

BRO