sábado, 10 de julho de 2010

Mais um dia

Mais um dia. Já cá estou no escritório, sentado, esperando os despachos do dia, de mais um dia. Já superei o desrespeito do trem matutino, a impaciência do primeiro metrô e o comodismo do segundo. Todos os dias, de segunda à sexta-feira, pego esses transportes públicos. Todos os dias faço duas baldeações. Todos os dias desço, desembarco na Consolação, no Metrô Consolação, minha estação terminal. E todos os dias há pessoas lá sentadas, na estação, ouvindo música, lendo revista ou um bom livro – muitos preferem livros. Você já os viu, caro leitor? Se tu vieres do Paraíso, do Metrô Paraíso, dará de cara com esses seres assim que desceres da composição. Verás que eles estarão quase absortos em seus deleites pessoais. Digo quase, pois não dá pra não dar uma boa olhadela toda vez que um metrô pára na plataforma. Sempre vale a pena ver as pessoas que de lá descem. Cada tipo curioso... Enfim, esses seres, os que estão sentados, desembarcam lá muito cedo, é óbvio. Afinal, quem em sã consciência acordaria de madrugada para apenas ler um bom livro na estação do Metrô?Eles estão lá é aproveitando melhor o tempinho que sobra entre suas casas e o trabalho. Isso, é claro, não é algo cotidiano, é paliativo. Transporte público não é cem por cento garantido. Muitas vezes atrasa, dá problema, quebra no meio do caminho, raramente se adianta, tampouco supre nossas necessidades citadinas. Tu sabes bem. Por isso, nessas raridades temporais, é bom gozá-las da melhor forma possível. Entretanto, há aqueles que, conhecedores assíduos do transporte público da cidade, acordam bem mais cedo do que deveriam. Se de suas casas ao trabalho dá pouco mais de uma hora, procuram descontar meia do sono pra poder chegar lá no horário. Em suma, calculam duas horas da casa ao trabalho. Esses, precavidos são. E confesso que desses também sou. Pertenço ao clube dos pontuais. Clube exclusivo, para pouquíssimos deveras. E como há pouco assento na estação, quando lá chego, já não vejo lugar vago. Sou obrigado a passar direto. Não posso sacar o livrinho que trago na pasta. Sendo assim, vou direto ao trabalho para mais um dia de labuta. Chego sempre cedo, no horário. Meia hora antes. E não vou receber adicional por isso. É mais um dia.