segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Caixa de saída (4)

“Antônia”

Olá, cara Antônia!

E aí, mulher, comé que tu tá?

Puxa, faz mó tempão que a gente não se fala, que nós não nos correspondemos, não é mesmo? Deixamos de freqüentar a mesma academia, deixamos de transpirar juntinhos (desculpe-me desde já a gracinha) faz é meses e, ainda assim, mantivemos contato. Um contato tímido, é verdade, mesmo assim, um contato honesto, simpático e agradável. Entretanto, não trocamos recadinhos há uns bons meses. Tá certo que há uns bons meses eu não acesso o ORKUT. Praticamente abandonei-o. Mas você bem que poderia ter me enviado um e-mail ao menos, né não? Pôxa vida, mó saudade de tu. Sério. Apreciava pra caramba os nossos papos curtos, ligeiramente insanos até. Temos que voltar à atividade, à pro-atividade, minha filha!

Você anda muito ocupada? Será mesmo que não dá pra dar uma saidinha? Bem que poderíamos combinar pra bater um papo, bebermos um chope, ou uma cervejinha, ou uma água com gás mesmo, depois dos nossos expedientes, que tal? Por que não? Garanto o bom-humor. Pense bem a respeito, sim? Prezo tua amizade e tua presença física também, claro.

Eh isso. Fico no aguardo então das tuas respostas.

Beijo na bochecha direita e um forte abraço aí procê.

BRO