quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Dando um upload na cadeia


Tão dizendo por aí qu’eu sumi,
Tão me procurando num arquipélago,
Já consultaram São Pedro,
Até São Paulo consultaram.

Tão fazendo buscas nas Galápagos,
Há várias expedições no meu encalço,
Um tal de Darwin jura que me viu,
Aos bocados e sem anil.

Mas, na real,
Não encontrarão nenhum exemplar,
Tô noutra, xará!

Saí dessas ilhotas,
Não tô mais bancando o idiota.

Tô cá no Paraíso,
Com todos os sisos.

Sem lambança ou discrepância,
Deixo cá, no ar, a minha provável extinção,
E com a minha imaginação,
Vou alimentar a minha própria ânsia.

Afinal, sou tubarão dos bons,
E não vacilo, não!

Podem continuar dizendo:
O bicho sumiu!
Eu não me arrependo.

Se é o meu declínio,
Vou satisfeito feito fera selvagem.

E por isso mesmo, cá não fico muito tempo,
Não sou de curtir deveras paragens etéreas, nas férias,
Já, já mergulho fundo e sorridente,
Dante me aguarda no Inferno escaldante.


Referência:

MIRANDA, Giuliana. Espécie de tubarão é extinta no Brasil. Folha de S. Paulo. Ciência de sábado, 22 de outubro de 2011, C11.

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

SSMS (67)


No ano passado, pedi uma namorada de presente de Natal, e ganhei só a meia soquete. Este ano, tô afim mesmo é duma periguete! Quem sabe assim ganho um boquete.

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

CALANGO ENGRAVIDA MAIS UMA

Nesta terra de ninguém,
A vítima retém a lágrima,
Pois, quem está aquém,
Pra si há de ter estima.

E se um, dentre todos,
Demonstrar simpatia,
Não se engane, não se iluda, não, minha fia,
O vilão se esconde em toldos.

A esperança pode ser a última que morre,
Mas é de fome que vamos primeiro,
E aqui, nesta terra árida, é certeiro:

Ou você corre,
Ligeiro e sem vergonha,
Ou fica danada, esperando cegonha.

A escolha foi tua,
Quem mandou ficar nua?

E se me disser que foi de lua,
Cá em casa não fica, não, é rua!

A pica pode ter sido dura,
E você de bom-bocado,
Mas eu não fico calado,
Agora vais ver a vida sem verdura.

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Um esporro de poema


Seu corpo não está mais ao meu lado,
Há um silêncio indecente no quarto,
Ainda estou atordoado,
Sua ausência em cada metro quadrado.

Enquanto eu cá suspiro,
No escuro,
Você aí, provavelmente, geme, grita e se diverte,
No alegrete.

Mas tudo isso aí é passado,
E passado não passa, pasta.

Até ontem sentia saudade da sua felicidade,
Porém, hoje, eu sei que a tal da felicidade não é suficiente,
E, mesmo ausente fisicamente,
Minha querida e grande cidade,
Teima em ti resgatar,
Seja num canto cá de casa,
Seja numa rua, numa praça,
Seja na estrada, num estrado vago,
Ou até mesmo no presente poeminha,
Pois, meu bem,
Cansei de bater punhetinha,
Pra você,
E pra qualquer zinha aí à vista.

Amuado.

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

sábado, 5 de novembro de 2011

A isca

- Cara, essa mina já tá me enchendo o saco! Não a suporto mais. Cara, mó chiclete, tá ligado? Antes, ficava me ligando e me mandando mensagens de texto direto. Agora, ouve só: tá numas de me mandar fotos. Eh, fotos de determinadas partes do corpinho dela; só de certas partes, manja? Mano, essa mina é doida! Eu bem que poderia postar essas fotos na net, né não? Mas, pô, tu e ela sabem qu'eu não sou disso. Não tenho essa puta falta de caráter. E justamente por isso mesmo, por saber direitinho como eu sou, ela abusa, lambuza. E dá-lhe fotos promíscuas! Ela fica me tentando, é óbvio. Na certa tá ciente que ando numa seca braba de mulher. Ela tá é me torturando, isso sim. Brincando comigo, saca? E isso tá me irritando... Meu, tô quase arrancando os pentelhos de tão brabo qu'eu tô. Dá mó vontade de abordá-la na rua, ela mora cá nas proximidades, e puxar-lhe os cabelos; dar um bom sacode nela, pra ver se se toca. Véio, nunca senti isso por mulher alguma, sério. Nunca fiquei nervoso assim. A irritabilidade me cega. Entro em Dândi. Quero dar-lhe um bom boxe no meio da fuça. Essa tipa mexe comigo. Não sei bem o porquê... Talvez seja aquele cabelo fogaréu que ela tem. Ah, sei lá! Só sei que ela tem o dom de me deixar puto, até ranjo os dentes quando ela me manda mais fotos indecentes. Essa putinha é dose. Olha só a última que ela me mandou. Veja que ela não tá mostrando o cofrinho, mas dá pra ver o caminho. E esses grafismos aí tatuados só insinuam até onde mais eles se estendem. Puta provocação, num é não? Diz aí: e agora, o que você me sugere qu'eu faça? Ei, meu, se liga! Tá moscando aí, é? Xará, pare de babar. Tremendo vacilão, hein!

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Estigmas


Dizem que as cicatrizes revelam a estória de um homem. Dizem que elas são responsáveis pelo seu caráter, pela sua índole; são elas que determinam a atitude dele perante o mundo. Isso faz pensar. Um homem sem cicatrizes pode ser considerado um homem de verdade? O que é ser homem afinal? E eu, o narrador, substantivo masculino, até tenho um bocado de cicatrizes pelo corpo, mas elas são consequência direta do meu jeito estabanado de ser, posso, mesmo assim, ser classificado como homem? Existe homem sem cicatrizes? Talvez minhas cicatrizes denunciem o meu jeito despojado de ser. Eh, confesso, sou meio inconsequente mesmo. Mas ainda estou aqui, narrando. Quanto aos outros sujeitos do sexo masculino que estão extratexto, suas cicatrizes talvez indiquem o imenso trabalho que eles têm para viver esta vida severina. Convenhamos, toda cicatriz já foi uma grande ferida aberta, uma ferida que não fecha facilmente. Eh, essas marcas na pele são vias de acesso que, mesmo pavimentadas, poucos são autorizados a tocá-las. Afinal, não é qualquer um que quer liberar o próprio corpo, assim, pra qualquer um.

domingo, 30 de outubro de 2011

SSMS (66)


Mais uma semana se aproxima. Aí vc se pergunta, de novo: até onde mais eu vou aguentar? Mente e corpo estão malhados. Vai ver é justamente por isso q vc tá aí.

SSMS (65)


Doar-se é algo muito pessoal. Se você realmente quer ajudar uma pobre alma, digo-te: doe! Ainda estou aceitando corpos em bom estado de conservação e paixão.

sábado, 29 de outubro de 2011

SSMS (64)

Um corpo ou um colo feminino é, sem dúvida, o remédio do qual careço. Meu caso é terminal, mas facinho, facinho de ser resolvido. Só faltam boas doadoras mesmo!

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Os fones da indiferença


Quem pega transporte público todos os dias para ir trabalhar sabe: educação é coisa rara. E quando presenciamos tamanha erudição até ficamos meio que sem jeito, sem saber ao certo o que dizer. Um obrigado já é suficiente. Tem gente que dá um sorrisinho. E tem gente indiferente. Aliás, taí outra coisa que considero interessante de ver de dentro do transporte público: a indiferença. Ela é abundante hoje em dia. Você, caro leitor, certamente já a viu por aí. Se não, sem problema, fique tranquilo, vou abrir seus olhos. Dica: repare bem na quantidade de pessoas a sua volta que estão usando fones de ouvido. Consegue conta-las? É um bocado de gente, não é verdade? Pois então, taí a manifestação da indiferença dos nossos tempos. A pessoa fica lá curtindo seu som à vontade, isolada do ambiente hostil que é o transporte público. Não interage com ninguém, fica lá cativa em si mesma. Aí, eu pergunto: cadê o flerte? Comé que fica a porra da vida em sociedade, hein? Perdem-se essas coisinhas tipicamente humanas e tão essenciais. Acho que o ser humanoide tá é mais interessado no seu próprio prazer, preferindo se evadir dos momentos áridos da vida. Atitude inútil, pois quem sabe das coisas sabe muito bem que a vida é perigosa. Só os fortes vivem, quem sobrevive é fraco, ou é uma pessoa duma puta sorte! A indiferença é uma fraqueza, quanto a isso não há dúvida. E o que podemos fazer para modificar isso? Simples. Temos que ser atrevidos, temos que encarar esses seres até que notem a gente, seus vigias de acaso. Assim, quem sabe, começam a pensar em alguma coisa ou fiquem tão incomodados e nos dirijam a palavra: - Que que cê tá olhando? Nunca viu, não?! Aí a gente diz: - Já. Sempre vejo a indiferença por aí. Pronto. Basta só manter o papo, quem sabe assim uma pessoa interessante se revela, né verdade? Pelo menos o primeiro contato foi feito. E assim a gente vai evoluindo...

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Bar Noir

Ele não tinha outros planos.

Era véspera de feriado e ele já tinha se decidido: iria sair. Já estava com um bar em mente. A Banda iria tocar lá.


E ele curtia A Banda. Eles tocavam um blues bacana, as letras eram diretas, sem frescura, e faziam rir, gritar; eram músicas para almas velhas dessossegadas.

Mas ele era jovem, só não tinha um par pra noite. Resolveu ir sozinho mesmo. Estava nessa fase agora. Não tendo companhia disponível, ia pra noite com ele mesmo.

Saiu de casa lá pras nove. Pegou a lotação. Pegou o metrô e fez duas baldeações. Cruzou a cidade rumo ao centro da cidade. Destino: Rua Augusta. Nessa rua ele se sentia bem, dava pra ver na cara dele. Caminhava pela calçada estreita e lotada de gente com um sorrisinho de satisfação nos lábios finos.

Eram dez e pouco, ainda estava cedo pra ir pro bar d’A Banda. Resolveu parar umas quadras antes, noutro bar.

E lá, de pé mesmo, decapitou uma, duas, três garrafas de cerveja. Estava matando o tempo e o seu fígado, lentamente. Aproveitou que estava ali, de boa, e tentou paquerar um pouco. Ficou um bom tempo de olho na mina de corselete preta do balcão, mas logo viu que não era correspondido. Ainda ficou olhando as gurias que passavam em pelo pela rua, mas também não teve sorte. Essas passavam acompanhadas ou distraidinhas com latinhas de cerveja na mão. Desistiu de flertar e matou o último americano numa virada só. Pagou e saiu pra rua.

Eram quase onze e meia, e A Banda sempre começava a tocar lá pras onze e meia. Chegou ao bar junto com A Banda. Entrou, deu o nome completo e pegou a comanda. Conseguiu um lugarzinho, nos fundos, e no balcão. Pediu uma cerveja. E ficou lá, bebendo, olhando seus colegas de bar daquela noite. Gostou da bartender. Uma loirinha branquinha dos olhos castanhos claros, bem claros, e alargadores discretos nas orelhas. Os olhos dela tinham um contorno negro bem feito e os lábios vermelho-sangue exigiam atenção. Devia ter a mesma faixa etária dele, uns vinte e poucos aparentava. Uma graça. Não a cantou por respeito ao seu trabalho, afinal, ele estava lá curtindo e ela estava trampando.

A Banda tocou seus sucessos, antigos e novos. O ambiente era pequeno, intimista. Gente ainda entrava, a casa estava enchendo. E ele lá tomando mais uma cerveja e secando o leitoso par de pernas ao seu lado. Algumas mulheres realmente não têm misericórdia.

A Banda mandava uma atrás da outra, tomavam whisky e detonavam. Viam-se pessoas dançando, umas timidamente, outras freneticamente. Era bonito de ver, e ouvir. Ele resolveu dançar também.

Balançava o corpo, a cabeça e tocava uma guitarra imaginária. Ou seria um baixo imaginário? Não dava pra saber direito, movimentos espasmódicos ele fazia. Era meio engraçado de ver. E já pegava outra cerveja com a loirinha.

O banheiro do bar era legal. Comunitário. Homens e mulheres lá entravam. Paquera e sexo, muito sexo, lá deve ter rolado, e ralado. Mas ele só fazia uso primário dele. Ele já estava tonto, meio alto, andava cambaleante entre as pessoas, mas continuava cantando as músicas d’A Banda. Viu um assento vago e se enterrou lá.

Ele provavelmente delirava, era visível, estava encarando fundo as almas dos outros e dedilhando as paredes de vidro ao redor. De lá sentado, chamou, com o dedinho indicador, uma loiraça que estava de pé no balcão.

E ela veio em sua direção, abaixou-se e lhe falou algo no ouvido. Não dava pra ouvir direito, A Banda continuava detonando alto, bem alto. Os dois sorriam um pro outro, trocavam confidências ou demências ao pé do ouvido.

A loira era do tipo muito atraente. Estava de bota preta, calça legging azul e regata preta bem justa ao seu corpo. Essa tinha a língua vermelha dos Stones estampada na frente, o que só sugeria o que deveria ser feito com aquele generoso par de seios alvos...

De repente, ela se levantou. E ele, sentado ainda, apertou, por trás, a coxa direita dela. Esfregou a cara na perna dela, e foi subindo, deslizando até a barriguinha seca da menina. Ela voltou a se abaixar. Cochichou algo em seu ouvido e tascou um beijo nele.

Na boca.

Levantou-se e foi dançar.

Ele continuou sentado, delirando. Foi ao banheiro. Pediu mais uma cerveja pra loirinha das orelhas alargadas. Dançou mais um pouco. E despencou mais uma vez numa das poltronas do fundão. Na do lado, havia uma mina.

Papearam um bocadinho sobre o show. E esta apresentou a amiga. Disse-lhe que era a primeira vez dela, da amiga, num show d’A Banda. Ele e a amiga da mina bateram um papo. A mina foi dançar. E, do nada, os dois recém-conhecidos começaram a se agarrar ali mesmo, sem vergonha ou preocupação.

Essa tal amiga era magrinha. Tinha uma boa cabeleira. Um castanho escuro até os ombros. Eram deliciosamente naturais.

Ele e ela se beijaram muito. Ambos agarravam a cabeça um do outro. Era selvagem a cena. Ele enfiou a mão esquerda entre as pernas dela. Ela a segurou, reteve-a, estava muito próxima da...

A mão direita dele apalpava a bunda dela. E que bunda! Rabinho lindo, e molhadinho de cerveja. Ela tinha sofrido um pequeno acidente. Não conseguia explica-lo direito. Os dois amantes do acaso ficaram se agarrando por um bom tempo. Era fascinante vê-los.

Ela acabou indo embora, sem o casaco. Este, ele usou como cobertor antes de ir embora também. Parecia uma criança no fim de festa dos adultos.

Ele foi embora sozinho, do mesmo jeito que havia chegado. Foi subindo a Augusta trôpego, mas atento. Estava amanhecendo e ainda havia muita gente na rua. Conseguiu chegar à estação do metrô sem ser atropelado nem ter esbarrado em alguém no mesmo estado etílico que ele. Estava cansado o menino. Deu várias pescadas durante o caminho de volta pra casa. E ainda perdeu o ponto de descida, desceu quatro pontos depois do seu.

Chegou em casa lá pras sete. Morava só. Foi se despindo até o quarto. Deixou uma trilha de roupas suadas pelo chão da casa. Diante da cama de solteiro, apenas de cueca, capotou de bruços.

E dormiu até sei lá que horas.

Era feriado.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

SSMS (63)

Ñ paro mais de ti mandar msgs. E ñ é por causa de promoção ou bônus fortuito, ñ. Depois q vc me disse q carrega seu cel entre as coxas, vibro todinho de emoção!

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

por dentro da sociedade bipolar de hoje

eu dou pinta e não pistas
doo subterfúgios
roubo agiotas
e coleciono fungos

não tenho paciência
e, na minha imprudência,
gozo próximo à superfície
sem esquife ou estalactite

sei saborear uma borboleta de plástico
sei subornar um chauvinista incendiário
acredito em sagitário
mesmo sentindo asco

acorrentado me sinto
e sem juízo
falsifico sentimentos
nada mais é tão verdadeiro

o derradeiro
palhaço desavergonhado
e canhestro
é a dita juventude transviada de agora
repleta de acne e pus
naquela face plácida
e demente

desprezo a mim mesmo todos os dias
sinto-me sem saída
não há ninfeta
ou puta coxa
que me dê alento, alimento
necessário e indispensável
pra sanar, aplacar
o meu mais novo tormento

ando aborrecido
tanto faz ou tanto fez
já não sei bem
talvez

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

A encruzilhada na carreira sem rumo

A situação já se tornou insuportável. Não aguento mais este lugar. O trampo não tá mais rendendo. Tô de saco cheio. Quero sair. Cair fora logo. Mas não posso. Ainda não. Tá mó crise lá fora. Trabalho decente tá difícil de arranjar. Não posso vacilar. Tenho contas pra pagar. Tenho que me sustentar. Tenho que sobreviver de algum jeito. Não posso sair assim de supetão, que nem da última vez. Naquela vez, me dei mó mal. Fiquei meses parado. Só coçando e batendo perna, não necessariamente nessa ordem. Foi duro. Não quero mais passar por aquilo novamente. Tá certo. Sair. Mas pra onde? Pra que raio de emprego vou? Trabalhar no quê? Certo. Na minha área. Qual é mesmo a minha área? Sei lá. Já faz tempo que sou escravo do comércio. Esse ramo desumano sempre me convoca, me sufoca e me enforca. Careço de férias. Não, imbecil! Eu tenho é que cair fora. Dar no pé. Mas pra onde mesmo? Merda! Tô me repetindo. Tá. Um lugar legal. Bacana. Mais haver com o meu perfil. Meu perfil? Putz. Que porra é essa? Calma. Beleza. Sou tranquilo. Um cara sossegado. Sei trabalhar em grupo, mas curto, e sou mais produtivo, quando trampo sozinho. Acostumei com a solidão. Penso melhor no silêncio. Certo. Sou proativo também. Não gosto de acordar cedo, mas, se levanto, mesmo obrigado, trabalho. Não enrolo; faço o que tenho que fazer. Sou comunicativo. Simpático. Tento entender o próximo. Não faço pré-julgamentos ou falsos testemunhos. Sou sincero pra caramba. Talvez bem aí eu tenha vacilado. Bem, esse é um bom perfil? É um bom resumo, que diz o que quer dizer. Tá. Agora. Que tipo de trampo combina com ele? Editor? Livreiro? Ou celibatário? Professor? Revisor? Ou bancário? Difícil. Minhas aspirações não batem com a realidade. Vivo apegado ao fantasma da ficção diária. Esse paliativo que virou um vício viçoso. Escritor então? Se ganha bem sendo escritor? Dá muito trabalho ou é apenas uma aptidão?? Perguntas demais, respostas de menos. Acho que vou aderir à greve ou tirar umas férias de mim mesmo. Sou eu ainda insuportável. Se almejo desencarno.

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Curtindo a vida feito água-viva

Minha vida é um passeio sem rumo
e, se durmo,
acabo trombando
no escuro
do absurdo
e sem juros.

Tenho crédito,
tenho tamanho agigantado
e ainda economizo muita energia.

Deixo a conta corrente me levar!
Sou (quase) dona do mar.
Vivo com alegria
apesar de ser desengonçada,
toda gelatina.

Sou água-viva.
Não sou sardinha,
mas sei que nossa taxa de reprodução
e crescimento
tão ali no mesmo investimento.

Meu sistema de caça é primitivo,
mas ativo,
pois exige contato direto com a presa, o contribuinte.
Minha estratégia é diferente:

Insisto em ser lerda,
uma criatura lenta
e assustadora,
pois assim uso, de maneira eficiente,
a energia obtida.
Sem arrochos
ou câmbio,
apenas poupando,
invertebrando...

E, num futuro próximo,
nesta oceanografia econômica,
serei dominante,
com alíquota líquida
e cheia de plâncton dos acionistas
de anchovas oportunistas.


Referência:

MIRANDA, Giuliana. Águas-vivas podem ser novas “donas” do mar, diz estudo. Folha de S. Paulo. Ciência de sábado, 17 de setembro de 2011, C11.

domingo, 25 de setembro de 2011

BLOQUEIO

Ultimamente elas não vêm naturalmente. Não surgem de repente. Parece que me abandonaram ou mudaram de destinatário. As ideias sumiram, evaporaram, escafederam sem deixar rastros desmiolados. Deu branco, e a coisa ficou preta. As páginas pautadas do meu caderno de rascunho estão vazias, como se fossem raias de piscina sem um campeonato em vista. Meu suporte de papel anda infértil, minha cabeça anda oca. Minhas reflexões perderam a transparência, estão embasadas, ilegíveis. Difícil pensar em algo cristalino e original. Carência de algo? Talvez. Mas do que exatamente? Carência de contato físico? De estímulos instigantes e prazerosos?? Sim! Sem dúvida. Esta quarentena, este exílio inatural está me fazendo mal. Isso que dá ser desleixado e exigente demais. Viver é um tédio. Necessito urgentemente adentrar uma tempestade!!! Estou sitiado no tédio de mim mesmo.

domingo, 18 de setembro de 2011

Entre os últimos românticos da rua augusta

...

uns dizem que mulher feia não existe,
outros provam que sim, e como existem!


das bonitas falam que são cheias de frescura,
das feias lembram com ternura

namorar com as lindas não dá, dá muito trabalho
namorar com as horrendas até dá, e como dá, elas gostam de agradar

a beleza está nos olhos de quem vislumbra
cada fêmea têm uma beleza que lhe é peculiar
e, para cada paladar
há uma leda catunda

dizem vistosa
pra não dizer gostosa
pensam puta
por não poder desfrutar

mas todos hão de concordar:
mulher é foda!

sábado, 17 de setembro de 2011

Ciabatta matutina

Ela foi embora inesperadamente. Nem pelo almoço esperou, não deu tempo. Foi-se e foi chorando, ou tentando não chorar – tentou engolir as próprias lágrimas antes mesmo delas escorrerem. Ela estava irritada, decepcionada. E uma decepção muda tudo! Não sei para onde foi. Uma vez na rua outra pessoa se torna, transmuta-se. Quando retornou – surpresa! – ainda conseguia sorrir mesmo com aqueles enormes óculos escuros. E aquele seu perfume ainda era o mesmo. Por onde ela passava, ele sempre ficava pelo ar um bom tempo. Ficava impregnado na gente mesmo sem ela ter nos tocado. E isso era bom, muito bom. Não sei que perfume ou creme era, mas me lembrava ciabatta saidinha do forno. Coisa gostosa, aprazível e apreciável. Contudo, ficou pouco tempo, já estava de partida e desiludida. Dei-lhe um beijo casto na face e um forte e demorado abraço. Pude sentir a fragilidade daquele corpinho e a intensidade de sua essência. Ela foi embora, novamente, mas pra nunca mais voltar; de vez se foi. E o meu jaleco encardido ficou e ficará por um bom tempo. Sem receios. A eutanásia, dessa vez, me trouxe até a padaria.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

SSMS (62)

A frente fria que a chuva traz é a certeza sensorial de que estamos realmente sozinhos e desesperadamente carentes. Mas até na escuridão há uma incubadora.

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

SSMS (61)

Perguntas capciosas para mulheres em estado civil duvidoso: rolo ou rola?? Pau ou pinto?? Falo ou falange?? Papo ou paparicos?? Crente ou quente?? Confusões...

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

DOE A QUEM DOER

Num pequenino corpo feminino vemos a síntese de duas paixões passadas. Seu rostinho redondo lembra bem duas meninas já conhecidas. Uma foi paixão à distância, a primeira dita platônica, a outra foi paixonite, já mais próxima, mas só porque lembrava a primeira. Essas duas não se concretizaram, à vista ficaram. Quanto a este corpinho feminino de agora, não sabemos bem. Talvez seja obra do Dr. Frankenstein. Parece que essas paixões do passado foram fundidas, e quem está cá no presente é outra coisa indecente. Seja quem for seu autor ou criador, o trabalho foi bem feito. Não há cicatrizes. Porém, há uma certa bicoloração. O que é até compreensível, pois dois corpos foram unidos. É um trabalho de qualidade, não dá pra precisar a idade. E o frágil corpinho parece um pouco inchado; resultado natural da utilização de alguns membros dos cadáveres já mencionados. Sim, pois tudo ali usado estava morto, enterrado. A procedência até sabemos, mas não vimos, nem cobramos laudos técnicos. Não acionamos a perícia especializada em paixões passadas. Não achamos necessário. O que vemos é realmente algo único, incomum e estranho... Foi difícil encontrar uma coisa tão boa quanto esta que temos aqui conosco. Trabalhos assim são raros, muito raros. No entanto, não descobrimos ainda o que fazer exatamente com este corpo que nos foi inteiramente entregue e, por isso mesmo, não imaginamos sua utilidade prática ou possíveis satisfações empíricas. Realmente é um bom mistério. Talvez, se fosse mais magro, saberíamos melhor ou mais facilmente onde armazená-lo. Não temos experiência quanto a doações voluntárias inesperadas.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Móbiles: Safra (6)

inveja
inveja
inveja
inja
inveja
inveja


...

correlato
correlato
correlato
correlato
correlato
correto
correlato
correlato
corrélato
correlato
correlato
correlato
correlato


...

crepúsculo
crêpúsculo
crepúsculo
crepusculo


...


roupagem
roupagem
roupajem
roupagem
roupasem
roupagem
roupagem


...

desembargador
desembargador
desembargador
desembargador
desembargador
desembargador
desembargador
desembargador
desembargador
desembargador
desembargador
desembargador
desembargador
desembargador


...

apelido
apelido
apelido
apelido
apelido
apelido
apelido
apêlido
apeuido
apelido


...

demasiadamente
demasiadamente
demasiadamente
demasiadamente
demasiadamente
demasiadamente
demasiadamente
demasiadamente
demasiadamente
demasiamente
desiadamente
demasiadamente
demasiadamente
demasiadamenté
demasseadamente
demasiadamente
demaciadamente


...

severa
severa
severa
severá
severa
seVera
serera
severa


...

cicatriz
citriz
cicatriz
cicatriz
cicatriz


...

ultrapassagem
ultrapassagem
ultrapassagem
ultrapassagem
ultrapassagem
ultrapassagem
ultrapaçagem
ultrapassagém
ultrapassagem


...

sacanagem
sacanagem
sacanagem
sacanagem
sacamagem


...

ínfimo
enfimo
ínfimo
ínfimo