quinta-feira, 21 de julho de 2011

DEVOTA

e já faz quase um ano que não a vejo, falo ou a escuto
amiga minha desapareceu
será que morreu?
ou está de luto?

não sei bem,
não sei de nada.
meu bem
minha camarada

aonde você está?
preocupado estou, e você, tá?

ainda penso em ti, às vezes
e tu, o mesmo fazes?

Quero tanto ter você aqui bem próximo

sentir o teu cheiro,
sentir o teu calor corpóreo
pra ti esganar, óbvio
pois o que quero,
almejo

é ter a grana que ti emprestei de volta
e cedo
pois a marolinha não traz de volta
e nem você tão cedo
Alentejo.