domingo, 14 de agosto de 2011

HIPOPÓTAMOS NÃO CHORAM

- Não chores por mim Argentina!
Meu declínio clínico é irreversível
minha angústia é passageira,
mensageira que vem voando num dardo com anestésico
que penetra minha pele sensível
não meus coração e pulmões diretamente,
apenas indiretamente –
uma parada cardíaca e respiratória induzem –
e com carinhos deduzem que estão me perdendo...
Besteira!
a insuficiência renal crônica,
a anemia,
a artrose,
os problemas odontológicos, ou
as úlceras que tenho cá na língua e nas bochechas
não me farão partir
dores eu não sinto, ou
não transpareço sentir.
E nem vem com esses
anti-inflamatórios,
antibióticos,
analgésicos e
anátemas
tudo inútil!
A eutanásia não é só uma escolha minha
e qualquer perda é dramática
eu já pari gêmeos
coisa rara, dizem
eu já vi mamãe morrer
eu já vi meus irmãos desnutridos da Somália
e, ultimamente, só ouço mortes ao pé da cama
e, mesmo assim,
não choro –
não tenho mais lágrimas
pois
hipopótamos não choram
quando um sininho ainda toca


Referência:

CAPRIGLIONE, Laura. Morre o hipopótamo Teteia, animal mais antigo do zoo de SP. Folha de S. Paulo. Cotidiano de sábado, 6 de agosto de 2011, C5.