domingo, 25 de setembro de 2011

BLOQUEIO

Ultimamente elas não vêm naturalmente. Não surgem de repente. Parece que me abandonaram ou mudaram de destinatário. As ideias sumiram, evaporaram, escafederam sem deixar rastros desmiolados. Deu branco, e a coisa ficou preta. As páginas pautadas do meu caderno de rascunho estão vazias, como se fossem raias de piscina sem um campeonato em vista. Meu suporte de papel anda infértil, minha cabeça anda oca. Minhas reflexões perderam a transparência, estão embasadas, ilegíveis. Difícil pensar em algo cristalino e original. Carência de algo? Talvez. Mas do que exatamente? Carência de contato físico? De estímulos instigantes e prazerosos?? Sim! Sem dúvida. Esta quarentena, este exílio inatural está me fazendo mal. Isso que dá ser desleixado e exigente demais. Viver é um tédio. Necessito urgentemente adentrar uma tempestade!!! Estou sitiado no tédio de mim mesmo.