quarta-feira, 5 de outubro de 2011

A encruzilhada na carreira sem rumo

A situação já se tornou insuportável. Não aguento mais este lugar. O trampo não tá mais rendendo. Tô de saco cheio. Quero sair. Cair fora logo. Mas não posso. Ainda não. Tá mó crise lá fora. Trabalho decente tá difícil de arranjar. Não posso vacilar. Tenho contas pra pagar. Tenho que me sustentar. Tenho que sobreviver de algum jeito. Não posso sair assim de supetão, que nem da última vez. Naquela vez, me dei mó mal. Fiquei meses parado. Só coçando e batendo perna, não necessariamente nessa ordem. Foi duro. Não quero mais passar por aquilo novamente. Tá certo. Sair. Mas pra onde? Pra que raio de emprego vou? Trabalhar no quê? Certo. Na minha área. Qual é mesmo a minha área? Sei lá. Já faz tempo que sou escravo do comércio. Esse ramo desumano sempre me convoca, me sufoca e me enforca. Careço de férias. Não, imbecil! Eu tenho é que cair fora. Dar no pé. Mas pra onde mesmo? Merda! Tô me repetindo. Tá. Um lugar legal. Bacana. Mais haver com o meu perfil. Meu perfil? Putz. Que porra é essa? Calma. Beleza. Sou tranquilo. Um cara sossegado. Sei trabalhar em grupo, mas curto, e sou mais produtivo, quando trampo sozinho. Acostumei com a solidão. Penso melhor no silêncio. Certo. Sou proativo também. Não gosto de acordar cedo, mas, se levanto, mesmo obrigado, trabalho. Não enrolo; faço o que tenho que fazer. Sou comunicativo. Simpático. Tento entender o próximo. Não faço pré-julgamentos ou falsos testemunhos. Sou sincero pra caramba. Talvez bem aí eu tenha vacilado. Bem, esse é um bom perfil? É um bom resumo, que diz o que quer dizer. Tá. Agora. Que tipo de trampo combina com ele? Editor? Livreiro? Ou celibatário? Professor? Revisor? Ou bancário? Difícil. Minhas aspirações não batem com a realidade. Vivo apegado ao fantasma da ficção diária. Esse paliativo que virou um vício viçoso. Escritor então? Se ganha bem sendo escritor? Dá muito trabalho ou é apenas uma aptidão?? Perguntas demais, respostas de menos. Acho que vou aderir à greve ou tirar umas férias de mim mesmo. Sou eu ainda insuportável. Se almejo desencarno.