quinta-feira, 8 de março de 2012

Não existe corredor em SP?

Se você, como eu, mora em São Paulo e pega todos os dias o metrô para ir trabalhar, uma vez ou outra já se fez essa pergunta. Mano, o bagulho é frenético! Uma par de gente bem ali na porta do troço e o corredor lá, vazio, às moscas... Tá certo que quem tá na porta tá com uma baita presa; tá super afim de descer logo na próxima estação, mas pergunto: e quem não vai descer logo? Tem que encarar aquela barreira homogênea de gente suada, fétida e imbecil. Sim, senhor! Imbecil. Porque quem tá lá atrapalhando o fluxo de gente é um baita dum imbecil. Tu tá ligado como é que é, né. Isso aí é falta de empatia. Tá ligado o que significa? Então, não tô querendo ser um carola chato, mas, meus filhos, acreditem-vos no corredor! Ele existe. Não é lenda, não. Como diz um louco aí sempre na estação Paulista da Linha 4-Amarela. Corredor existe sim! Ele até pode ser mais estreitinho, mas existe. Ele tá lá só te esperando. Acreditai! Vale a pena ir de embate com aquela massa corpórea e debiloide que fica fincada na porta. E aquele pessoalzinho mais promíscuo, que se agarra bonito no pole dance, também há de ser encarado. É possível driblá-los, só fazer um jogo de corpo mais elástico mesmo. E, passando mais esse obstáculo físico, tu o verás, o famigerado, o mais refrigerado e iluminado, o bendito e aventurado do corredor! Mas se tu, como muitos por aí, for cético; mais um descrente aí em voga de toga e ver o corredor lotado de gente suada e estressada, lembre-se do cantinho, ele também está lá te aguardando, te esperando de sovacos e bafos bem abertos. Agora, sai da frente, pô!!