quarta-feira, 11 de julho de 2012

Remoendo coisas numa manhã fria de inverno

após O Primeiro Beijo A Coisa desandou
este foi dado no corredor
os seguintes não foram só beijos
foram uns amassos,
uns apertos,
uns gemidos contidos
nas escadas vazias da hora do recreio
peguei uma numa sala vazia
nua ela não ficou
mas pegos fomos atrás da porta pelo dotô
teve outra também de fofoca:
aula vaga
bocas cheias
escola às moscas
e mariposas no estômago...
naquela época não existia indigestão
guloso sempre fui
e ainda sou

No trabalho, A Coisa era diferente
Mais decente, aparentemente,
mas igualmente carente –
às vezes muito indecente,
mas sempre discreto,
correto,
duro
e esfarrapado
Mas tudo (e todas)
foi muito bem aproveitado:
experiências inesquecíveis de vida
maldita (!),
mas divertida (!!)
sem receios
ou devaneios
tudo muito concreto –
concretizado
morto e enterrado

Na faculdade, A Coisa foi séria
Dois Corações batiam num só compasso ritmado
entre tantos
ou
Entretanto,
um era mais lento, às vezes,
e o outro muito acelerado!!!
Nas muitas viagens feitas
isso (ou isto)
ficava evidente (:)
um sorridente de menos e o
outro deslocado demais
Estes já faziam tudo juntos:
trabalhos, atividades, tretas e trepadas atrapalhadas
Mas esses realmente adoravam;
curtiam pra valer,
não fazerem nada juntos,
nadinha mesmo –
carícias, beijos, olhadelas e beliscões...

Eu poderia dizer mais coisas (dizer)
outras roubadas e desilusões,
mas depois disso tudo aí dito,
Me perdi nas recordações...