terça-feira, 16 de outubro de 2012

carência sua, minha Solidão

De boa na lagoa... (photo by: @cutewildbaby / @havenearth)


estava eu à toa
de boa
na lagoa
de papo pro ar eu estava
quando a descarada apareceu
apareceu assim do nada
não me pediu licença coisa nenhuma
e foi logo entrando
no meu isolamento,
nadando ao meu encontro
visita indesejada era ela
ela era a carência se apresentando,
invadindo a Solidão do eremita aqui
aqui fiquei perplexo:

carência não se faz presente, é falta
Solidão sim é aquilo que a gente sente, é presença
carência é ausência
Solidão é presente
carência é passado, passa
carência vêm em doses homeopáticas
Solidão é superdosagem,
e mata,
se você não tiver cuidado
carência é que nem cárie, dói, incomoda,
pois descuidado foi outrora,
quem sente carência agora
carência sente quem deixa da amar
Solidão é que nem a imensidão do mar,
é azul,
é profundo
e escuro,
quem sabe mui bem disso é Epicuro

essa carência que vejo se aproximar,
escorre pobre e sinuosa,
nada gostosa
até a minha Solidão eminente
Solidão é constante, permanente
é um estado latente, entende?
Solidão fica em Pernambuco - 
carência em estado bruto!
quem nasce em Solidão,
como eu,
é solidãoense,
quem nasce sem afeto,
na privação,
é carente

assim, querida amiga,
quando tua carência se revelou
só me mostrou
o quão solitário agora eu sou

metafísica alguma me adianta se
o sapo-rei aqui não tem
perereca nenhuma pra sorver
ou ao menos uma mosquinha sequer
pra belisquete
a carência profanou a minha quitinete
meu reino por uma periguete!!!


Nota:

O germe do poema acima veio de um bate-papo despretensioso com minha amiga Bruna Rafaella, por isso este poema é para ela.

Toma um aí pra você, sua doida!!

9 comentários:

  1. Ohh Buu, muito obrigada pela homenagem!
    adorei, você é menos dramático do que eu, é claro! Consegue descrever dois sentimentos de uma forma mais divertida, me fez rir!
    Na verdade você é um palhaço!
    Solidão é coisa séria e carência também...
    mais só quem sente sabe né?
    E se esse é seu jeito de sentir, então vamos nos divertir ué!!!!
    Adorei!
    Na verdade, te adoro!!!!
    E só para observar aqui, sou uma pessoa normal,
    aparentemente!


    Beijos!!!!

    ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sei mui bem que Solidão e carência são coisas bem sérias, mas fazer delas um drama, algo mais crônico, não combina comigo. Pelo menos não nesse poema. Acho que tudo na nossa vida têm algo de maleável, e se sou engraçado é por que insisto em ver as desgraças, as minhas principalmente, desse jeito mais engraçadinho mesmo. Obrigado pela visita e pelo comentário, Bu! Apareça mais. Beijos pra você também.

      Excluir
  2. ai ai ai, solidão se resolve com a mão meus queridos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem sempre, nem sempre... Às vezes duas são essenciais!! Ou até mesmo quatro.

      Excluir
    2. kkkk que tarado!! kkk muito bom!

      Excluir
  3. Concordo com a Lu que me abandonou), mas o Bu é mais realista! ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. não te abandonei nada, é que só dou uma olhada, uma passada rápida, se ficar de papo mole "c os" amigos, eu não rendo nada, e vcs não vão gostar de mim se eu ficar pobre pra sempre, preciso urgente ganhar dinheiro Bru, assim fica mais fácil ficar lendo os amigos... sem culpa. Tendeu?

      Excluir
    2. Eu também às vezes dou só uma passada. Uma rapidinha é sempre bom, não é mesmo??

      Excluir