quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Tamara, tamarindo, tico-tico (versão lésbica)

Tamara,
Tamarindo,
Tico-tico

Tamara sempre foi muito sexual
Nunca teve sensualidade
Nem mesmo na flor da idade
Tinha era mesmo um fogo por todo o corpo
Que se espalhou por toda a cidade...
Tamara não tinha amenidades
Tamara era um animal de coitos fugazes

Por isso, experimentou tudo aí que lhe foi aparecendo
Tamara não foge d´uma buceta negra
Em pêlos crespos, crescendo
Tamara até já chupou cacetes, mas não gostou
Tamara prefere as xerecas carecas de vinil

Tamara tem tatuagem no quadril
E se exibe amuada
Para sua namorada
Quando tem certeza
Da sua desgraça...

Tamara é complicada
É tipo homem sem calça, sem barba
Mas muito macho que só vendo
Tamara não aceita brincadeiras
Nem mesmo quando se dá no recreio

Tamara,
Tamarindo,
Tico-tico

Tamara não é pirulito que bate-bate,
Mas já bateu umas pra mim
Temos lá nossas divergências,
Mas me ama assim, assim

Tamara curte rock progressivo...
É feminista sim, de ouvido –
Puta com vergonha que não morde fronha,
Mas é do tipo de mina que curte coisas ditas ao pé do ouvido –
Ditos assim sem-vergonha, manja?

Tamara não curte tâmara
Vai mais de câmara
Tamara chupa tamarindo
E cospe sinusites rindo

Se lhe passa um passarinho
Já logo imagina um tico-tico
Não por ser pequeno,
Mas mais por ser vermelho –
Plumagem rubra de desejo

Tamara,
Tamarindo,
Tico-tico

...

Se há algo de bom nessa história,
Que mais parece uma novela sem glória,
É esse “amor anormal” que ela tem
Por mim não, claro, veja bem
Ela tem uma namorada,
Ela trabalha como uma condenada,
Mas ainda sorri quando vê surgir
 O beneditino do tico-tico que insiste em lhe corrigir...

Belém, Belém, Belém
Quem sabe bem quem és
Não esmorece com o peso sobre os próprios pés.