domingo, 1 de dezembro de 2013

A amazona de vestido florido

Não estava no rio Amazonas,
Tampouco à beira do São Francisco,
Estava mesmo próxima a um rio feio de doer;
Estava às margens do Tietê!

Ela não estava aos panos e farrapos, não.
Trajava um vestido curto, inseguro
E todo florido em seu conteúdo.
Seu porte era de invejar:

Ombros largos, braços fortes,
Postura firme e coxas idem,
Pés descalços e cabelos negros...

Cabelos longos... Muito longos,
Que me fizeram esquecer o nojo
E me render aos encantos da Primavera!