segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Minha ourivesaria imperfeita

Tentando fazer um poema
Acabo encontrando um dilema:
Ou dou-me por satisfeito com o que foi feito,
Ou engaveto o produto com defeito.

Tenho pilhas de ideias rejeitadas,
Tenho centenas de estrofes mal’acabadas.
Poema nem sempre sai fácil;
Poema sempre é uma ideia volátil,

Que ganha forma e corpo,
Um escopo,
Quando o corro na página em branco.

Aí, com o poema em mãos,
Sinto certa satisfação...
Bem, até a próxima breve inspiração.