segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Restos de Mayara

minha tampa
não tampa
qualquer panela

minha canela
não se quebra
assim de quebra

minha casa
não é assim
pra quem casa

minha transa
não tranca
sua trança

minha pinta
não dá pinta
em qualquer pintura

minha sina
não se sinaliza
na tua usina

minha chapa
não raspa
mais na tua xepa

minha esperança
é que nem verdura:
verde, amarga e só dura quando refogada

tu fez uma tremenda duma cagada - 
vacilou legal, Mayara!!
agora chora, chora
sua puta desgraçada do caralho!!