segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

O amor é um rato



À amiga Janaina Barboza,

Eis aqui mais um poeminha inspirado em um de nossos bate-papos despretensiosos:



O amor é um rato
Que rói,
Desesperado,
O coração partido rejeitado.

O amor é um rato
Solitário
Remoendo as sobras de um passado.
Passado sem volta,
Revoltado.

O amor é um rato
Pequeno e
De dentes bem afiados,
Enfileirados,
Ávidos em roer o que lhe aparecer
Por bem querer
Ou sem (querer).

O amor é um rato
Que muitos preferem ignorar,
Fingir que não existe,
Porém todos sabem –
Pode aí perguntar –,
Ele infesta os nossos esgotos
Fétidos de desgosto,
Mágoa e
Disse me disse –
Reduto de imundices.

O amor é um rato
Morto
Numa margem de merda.