segunda-feira, 8 de junho de 2015

No aguardo

No aguardo d’uma contenda,
Tento tudo menos água benta!!
Tento nada que me afunde,
Nem que paire sobre ataúde...

No aguardo fico, não desmoreço.
Quero ver por inteiro, desde o começo,
O Juízo Final vindo sem-juízo,
Corrompendo os vivos sem siso.

Trombetas tocarão sem cessar!!
O mundo que conhecemos há de acabar!!
Os Cavalheiros do Apocalipse trotarão

Ondas nas marés, ar e terremotos!!
No aguardo insisto pra ver se brotam
Ondas de sangue, corpos e votos!!


...


Preferiria
que o mundo
se acabasse todo
em purpurina!!