quarta-feira, 16 de março de 2016

O ARAUTO DO CAOS

Ele veio a nós em doses homeopáticas,
Que se tornaram logo cavalares
Quando ele delatou todas as irregularidades –
Cantou de galo e ganhou destaque.

Abriu o bico e dedou todo mundo!
Ninguém saiu imune, todo mundo era imundo!
Detalhou os subterfúgios e os sortilégios.
Teve gente que correu até pro Ministério!

Mas não adiantou isso lá muito, não.
A máscara caiu e o povo se decepcionou.
Ninguém pensa na gente, pensou.

Todo mundo é só pra si.
Enquanto uns se divertem e riem gostoso,
Outros, ou nós todos, ficamos num desgosto...