sábado, 28 de maio de 2016

terça-feira, 24 de maio de 2016

REVÉS AVE-ROUSSEFF

jucá pra lá
jucá pra cá
e você aí
a deus dará

josé aqui
delfim ali
e nós Dalí

jesus do céu!
cadê kassab?
rapaz, até o watanabe?!
é o uber-haddad!!!

no suplício suplicy
calotando tudo o alckmim
e você ainda ri?

sexta-feira, 20 de maio de 2016

É Goolpe Brasil?

Cê num sabe o que diz
Ao ver tudo por um triz.
A situação pede cautela.
Meça tudo dito lá na tela.

Não se engane assim tão fácil, ela
Errou feio, fora disso é balela.
Eles tão querendo mesmo é um bis
Daquilo que perderam e deixou cicatriz.

Se quiserem desde o início trabalhar,
Por que com ela não dava?
Que negócio é esse de agora se ajudar?!

Preste atenção, ó grande Avanhandava!
Teus filhos correm que nem Mandi
Solapado aos montes no Pari.

quinta-feira, 19 de maio de 2016

SPOTLIGHT: PAULISTANO

De bobeira na piscina,
Penso na possibilidade suína
De um futuro alternativo
Se o plano não seguisse vivo...

Armamos o esquema mais efetivo
Para por um fim definitivo
Nesse mandato torto de ruína.
Fomos legais! Usamos de direto a Janaína.

Mas se o troço virasse troça,
Aí nós viraríamos os calhordas.
Então, o jeito foi bancar a corja.

E deu certo! Fizemos a limpa na loja,
Deixamos os peles-vermelhas na sorda
E a retomada do poder virou joça.

quarta-feira, 18 de maio de 2016

VICE VIGARISTA

— Até tu, Brutus?!
Partistes meu coração,
Jurando-me apoio nos autos.
Mas não! Só decepção...

Fui apunhalada pelas costas
E você, querido, fez monções;
Você me fez de idiota
Ao por em prática suas ações.

Se eu errei, me desculpe,
Mas tudo o que foi feito,
Foi pra ti ver satisfeito

Comigo e com o país inteiro.
Agora, você tá aí de interino,
Se achando o genuíno, mas é estepe.

terça-feira, 17 de maio de 2016

WAR MACHINE

quem é que vai
quem é que vem
aqui, agora
jerusalém

quem é que foi
quem é que veio
lá e aqui
itapemirim

você se danou
eu me fodi
nós tudo
itamaraty

ele entrou
ela saiu
a gente a ver navio
são gonçalo

homem sim
mulher não
fiquei sem às na mão
bora bora

terça-feira, 10 de maio de 2016

MARANHÃO, O INACREDITÁVEL

Rapaz, o bagulho tá doido!
Anulado o engodo,
Oposição caiu matando,
Alegando golpe e me ameaçando.

O Senado decidiu ignorar
E o partido disse que ia me cassar.
Não teve jeito. Revoguei!
— Pra não dizer que me caguei.

Me senti que nem o irrevogável.
Mas prefiro eu ser o inacreditável!
Cê acha mesmo que eu ia perder a chance

De aparecer num instante no plim-plim?
Falem mal, mas falem de mim!
Eu é que não ia perder esse lance.

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Enquanto isso no picadeiro chamado Brasília...

Queridos e queridas!
É chegada a hora!
É hora da reviravolta!
A AGU viu uma saída.

E o interino acatou.
Agora é pega pra capar!
Quem, agora, vai escapar?
Furiosa se acalmou,

Mas pediu cautela...
Não é com o cu e a unha na panela
Que o caldo vai deixar de engrossar.

Muito há de ser feito.
Enquanto uns falam que é golpe, desespero,
Jaburu já pensa no pleito.

Enquanto isso no Palácio do Jaburu...

Há uma grande agitação,
Há um alvoroço monstruoso
Dentro do palácio desgostoso —
Alvorada pede intervenção.

Grandes seres planejam reação
Às pedaladas da odiosa
Que, mesmo visível Furiosa,
Não vai arredar pé da apelação.

Criaturas penadas clamam por sangue,
Querendo cada gota suplicante
Que pinga-pinga sobre o mangue...

Ratos, que foram Homens, babam pela glande
Ácido úrico a todo instante
Sobre a carcaça ainda quente da presidente.

quinta-feira, 5 de maio de 2016

"ENCUNHALADO"

Demorou, mas foi!
Marajá escafedeu.
Se achou pra depois,
Mas se fodeu!

Agora, tá perdido.
Resta rezar,
Pedir pro bendito,
Pois vai ser difícil voltar.

Ou não. Nunca se sabe...
Em esquemas político-judiciários,
O que mais se vê são estratagemas

Dignos de ladrão de merenda.
Resta-nos esperar a novena
Pra arrombar de vez aquele cuzinho!

quarta-feira, 4 de maio de 2016

VIDA VIVA

O que se sabe desta vida?
Que tudo não é como dizem ser,
Nem nada parece proceder
Como deveria após ser discutida.

O que se leva desta vida?
Talvez assim uma coisa sofrida
Ou quem sabe o viver
Da experiência em crescer?

Vida, palavra-cicatriz
Que não nos diz
Tudo o que tem pra dizer,

Mas é sabida
Travessia; é ida,
É um meio de conviver.

segunda-feira, 2 de maio de 2016

180 DIAS À TEMER

Parece até um plano,
O que vejo debaixo do pano;
Uma coisa assim arquitetada
Que, provavelmente, não saiu barata.

Será que não percebem o engano
Que cometerão até o meio do ano?
Tem coisa aí rolando disparatada.
Se liga, querida! É bravata!

Ex-aliado agora
Faz o que fez apoiado
Majoritário de outrora.

Aqui, neste país Caiado,
Só tem otário achando um barato
Neguinho aí pagar o pato.