quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Do meu processo (4)

Partindo da necessidade de fazer alguma coisa, escrevo. Escrevo não só pra me ocupar, matar o tempo, mas sim pra descobrir alguma coisa. E essa coisa pode ser qualquer coisa mesmo, sem restrições, o importante é escrever pra depois entender. Não quero aqui me comprometer, quero desenvolver. Escrever é desenvolvimento; é a busca por algo que está oculto e que precisa, no texto, ser revelado, mostrado graficamente em palavras, frases. Então, tudo é um processo, que corre ligeiro, às vezes, e que também rasteja, às vezes. Tudo depende do espaço, do momento, do ambiente e da ideia. Se tenho ideia clara, o desenvolvimento, o processo corre que nem o Bolt. Se não, se a ideia que tenho é abstrata, nebulosa, a sua concretização é mais demorada, custosa. E isso, claro, sofre influência, do espaço aonde me ponho a escrever. Se me encontro numa biblioteca, por exemplo, o trabalho é mais focado; se estou no trabalho, em um dos momentos de ociosidade, as interferências atrapalham, faz parte, o marasmo não dura para sempre. Agora, outro ponto, para eu começar a fazer tudo isso, o momento tem que ser propício. E quando digo momento me refiro a duas coisas importantes: a vida física e a vida psíquica. Vida física é a vida em si, os contatos que a gente faz diariamente, as notícias e relatos que vemos, ouvimos e lemos por aí. Já vida psíquica é como eu entendo, absorvo essas coisas do entorno; é como penso e ajo diante dessas coisas. Então, sendo assim, momento é disposição; é o querer escrever com alguma coisa em mente, ou não. Continuando, para escrever, um suporte se faz necessário. Isso é o espaço. Meu espaço é um caderninho de brochura, geralmente. Nele boto, rascunho todos os meus textos em prosa, como este que estou escrevendo agora. De lá, passo-o para o Word, onde faço uns ajustes e tal, se necessário, daí só depois o publico aqui no blog. Percebeu? É tudo um processo. Um processo de escrever, escrever e reescrever. Já os poemas que eu arrisco fazer, se você me lê há algum tempo, já sabe aonde eu os faço, se não, clique aqui e descubra já. Viu só? Escrever, pra mim, é um passatempo divertido, é um hobby, não é um ofício oficial remunerado, é um lazer, uma ocupação pra manter a minha mente funcionando bem. Espero continuar assim.