quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

VERMES

Vejo-os ao meu redor
Em estado vil de decomposição,
Criaturas peçonhentas em ação,
Fazendo o que fazem de melhor:

Extinguindo a carne até o pó,
Impregnando o ar sem consideração,
Apenas o fedor há em elevação.
Condenado estou e na pior.

Danado assim sem me mexer,
Penso no que fiz pra acabar ali
E não consigo entender o exercer

Que é agir livre até aqui
Pra acabar assim sem esperança
Enquanto os sem cabeça enchem a pança.