terça-feira, 18 de abril de 2017

INTOLERÂNCIA

Intolerância nós vemos
Naquilo que fazemos,
Mas tentamos disfarçar
Pra não nos caçar.

Porém, se vemos em outrem,
Julgamos e condenamos sem
A menor cerimônia
Ou, na cara, vergonha.

Por que assim agimos,
Neste século de achismos?
Por que tanto ódio,

Nesta sociedade de pódio?
Porque perdemos o respeito
Quando a tela tomou o cara a cara.

quarta-feira, 12 de abril de 2017

A DELAÇÃO DO FIM DO MUNDO

“Agora vai!”, dizem
Contudo, não é pra tanto
Nesta terra de ninguém,
Os “eleitos”, mesmo suspeitos,
São mantidos em banho-maria
Com o intuito vil
De assegurar a ganância parlamentar
Esperança é para os fracos
Os fortes quebram tudo
Pois nada querem que sobre
Dessa vergonha nacional disforme
Delator é herói
Mesmo sendo cu de bode no calote
Só mesmo os muitos inocentes
Vêem refrigério no meio desse inferno
A coisa tá mais que preta
Aqui, no fim do mundo,
O fim dos tempos
Já foi anunciado
Desde quando àquele portuga
Gritou em alto e bom fado
“Terra à vista!”
De lá pra cá
Só deu merda

sexta-feira, 7 de abril de 2017

PLANETA NOVE

Além de Netuno há
Massa sólida a girar
Num desvario de pirar
Até quem diz que já sabia.

Plutão, se achou, acabou de errar.
Quem o matou se farta na via
Escalafobética da academia,
Querendo pôr e tirar

Astros que já estavam lá
Anos-luz desse inventário,
Que ajuda, mas também complica

A dura pesquisa científica.
Astronomia não é astrologia, otário!
Aqui, deuses fenecem feito vela.

segunda-feira, 3 de abril de 2017

CIDADE CINZA

Prometida uma cidade linda,
Deram-nos uma cinza.
Perguntamos: onde há lindeza nisso?
Kassab já fez isso e se deu mal,
Agora vem um Doria e passa cal.
Cadê o Kobra, osgemeos e o Chivitz?
Cobriram a todos bem no nosso nariz!
E ainda se diz trabalhador, bom gestor...
TRAIDOR!
Somente os tolos caem nessa de prefeito-gari.
O gari de verdade faz mais por mim
Do que “ele” pensa fazer.
O gari de verdade mostra a minha beleza,
Não a maquila assim cinzenta.
Sou São Paulo 2017
E não Orwell 1984.
Sou de todos,
Não sou do seu bando.
Sou MMDC 1932.

sexta-feira, 31 de março de 2017

O CARRASCO DOS POBRES

Dos confins do jaburu,
Ele veio feito peru:
Todo-todo abarroado
Do alvorada fez pado.

Lá, ficou despreocupado,
Pois suas intenções eram do agrado
Da maioria lá de urutu —
Hematófagos de tribufu.

Do poleiro paraneico,
Empossou embusteiros
Para altas cúpulas taciturnas.

Quanto ao povo, fez pouco,
Migalhas jogou em aterros;
Decepando mãos calejadas em urnas.

quinta-feira, 30 de março de 2017

RICARDO ESTÁ MORTO

Atordoado pelo orgulho ferido, ele tira a própria roupa e se joga nu pela janela. Do outro lado, ela o vê e se excita ao vê-lo tirar a roupa. Enquanto cai, ele chora, de raiva ou de medo não se sabe. Ela vê o suicida e não acredita no que vê, chocada fica. Espatifado no chão, ensanguentado, ele suspira seu último suspiro, sozinho. Ela olha o corpo morto e não diz nada até seu marido surgir e lhe perguntar o motivo de se entreter tanto na janela. Ela enfim lhe diz: “Ricardo está morto”.

segunda-feira, 27 de março de 2017

RIDICULUS

Tem mais de trinta
E pira no som da sua banda favorita;
Faz dancinha e não tem medo
De ser feliz, de se divertir.
Canta, grita e gesticula
Que nem criança no primeiro show ao vivo.
Sorri a toda hora
Diante do que gosta, curte.
É feliz, genuinamente.
Quem não o entende,
Chama-o de
Ridículo.

terça-feira, 21 de março de 2017

NA VEREDA DO FIM DOS TEMPOS, UM CORPO NU JAZ MORTO

Ao contemplar a ruína, ele via, enfim, o fim de tudo. Tudo que já havia existido era consumido pelo Caos. Nada mais existiria a não ser ele próprio e o nada. Somente ele ficaria responsável em criar um tudo novo. Essa simples ideia o agradava, um sorriso de satisfação se rascunhava em seus lábios finos. Porém, tal sorriso se desfez logo quando ele percebeu, enfim, que do nada sairia sendo ele apenas tempo. A Criatividade era necessária, mas ela estava estatelada e morta pelo chão, fora assassinada pelo Tempo que nunca tivera um coração.

sexta-feira, 17 de março de 2017

O MIMIMI É O ARMAGEDDON

Ao que tudo indica,
Este mundo acabará
E mais cedo será
Se os cabeça de titica

Continuarem fazendo birra
Sobre tudo quanto é fofoca.
Hoje, todos agem feito orca
Assassinando, botando pira

Em qualquer um aí que duvida
Do que é divulgado, quadro a quadro,
Nos principais jornais mediáticos.

Hoje, é tudo na porrada!
Todos têm teto de vidro,
Mas da tolerância não juntam os cacos.

segunda-feira, 13 de março de 2017

"O MUNDO INTEIRO É A MINHA CASA"

Pegue leve no que diz,
Pois a certeza não é absoluta.
Ainda mais nesses tempos
De “achismos”, sem profunda idade.

Se o mundo anda complicado,
És tu que estás quebrado.
Então, monte a si mesmo
E esqueça os outros vespeiros.

Este mundo está intolerante —
Tem gente que implica até com turbante!
Nesse caso, tente entender esse lado
(E tente mostrar o seu a esse).

Mostre que vocês não são assim tão diferentes!
A igualdade não está na raça,
Está naquilo que você chama de casa.

quinta-feira, 9 de março de 2017

PRESIDENTES, VICES & OUTRAS DROGAS

Faça chuva
Ou
Faça sol
O
Temer é
Ainda
Um
Paga-pau



Volta Dilma
Volta
Volta querida
Já não sei, não...



Ciro tenta se promover;
Alckmin se dobra pro Doria;
Aécio ainda mete o nariz no magnésio
E a Marina segue a dieta da Bela Gil...
Mas cadê o Lula??
Tá em casa assistindo Narcos.

quarta-feira, 8 de março de 2017

BOLA DE NEVE

Do alto da montanha
Ela vem
Rolando a toda
Para baixo
Numa velocidade de impacto!
Derrubando tudo à sua frente
Pedra, planta e pelicano!
Quê?!
...
Sexta-feira santa
Vira
De cinzas
Quando o ódio
Vira
Doutrina.

terça-feira, 7 de março de 2017

DESTITUINDO O CIDADÃO DO JOGO POLÍTICO LIBERAL

Instituição não mais existe
Neste país de gente cretina
Que se mexe só pra ladainha
E parada fica quando triste.

Emotiva demais essa gente
Que é enganada de bainha
Pois, ela própria, se genuína,
Saberia bem a arma que vai à frente:

O povo é a arma!
É ele quem luta,
Dá e tira o próprio sangue.

O coldre é só um acessório, coisa erma,
Que não deveria estar em cena; é coisa diminuta.
Só a faca salva no meio do mangue.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

O PRIMEIRO ESCRIBA

Sem saber o que fazer, ele escreve. Escreve palavras numa folha de papel em branco na tentativa ilusória de que a atividade ortográfica lhe fará preencher melhor o tempo que não passa. Assim ele vai até alta madrugada. E só consegue escrever uma palavra: sozinho.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

frustração consciente, ou deu merda, e daí?

Pego uma folha em branco na esperança de escrever algo bom. Porém, no meu dilúvio interior, só sai coisa ruim. Mesmo assim, persisto no erro consciente, consciente da merda que vai dar. Ao término da contenda, avalio o resultado e, após uma pausa reflexiva, que dura poucos segundos, vocifero: que merda! A coisa toda já era prevista. Então por que insistir nisso? Ora, veja bem, da merda que fazemos, ora ou outra, sairá coisa boa. Só tentar encarar isso numa boa.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

JUVENTUDE ANCORADA

Neste país em que me vejo,
Vejo gente ganhando dinheiro
De uma forma digna de puteiro:
Sem vergonha até no varejo.

Vejo também gente decente,
Que se diz crente,
Levando vantagem em tudo
Na maior cara-de-pau do mundo!

E eu, no meio disso, o que faço?
Faço nada, ora bolas!
País de bosta!

É o que sempre digo,
Sentado em frente à tela,
Comendo pizza e vendo novela.

sábado, 11 de fevereiro de 2017

NÃO CURTO, NÃO COMPARTILHO, LOGO NÃO EXISTO?

Não tenho Facebook
Não tenho Instagram
Não tenho WhatsApp
Não tenho porra nenhuma
Sendo assim, eu não existo, certo?
ERRADO!
Existo sim
Sou tão real
Que as pessoas
Desse mundo
Se assustam
Quando olham
Dentro dos meus olhos
O que elas veem?
Ora, veem a Vida que elas não têm.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

PARE, PENSE E DIGA

Diga não
E você será odiado por todos.

Diga sim
E você será escravo de todo mundo.

Diga talvez
E você será o mais sincero,
Pois, na berlinda do ego,
Quem vacila mostra
O quão falho é
E não tem vergonha disso.

Pense nisso.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

TEORIA DA INVOLUÇÃO

Havia um tempo de reminiscências
Antigamente,
Porém, no alvorecer de um novo século
Um tubérculo
Se libertou.
Aí, sem delongas,
O mundo inteiro se inverteu,
Subverteu,
Proliferando
Sobre a Terra
Criaturas de cunho estranho,
De tez carrancuda e
De postura arqueada —
Era a ruína do Homem pós-moderno,
Que não evoluíra nada,
Só se dizia conectado,
Mas na pós-verdade
Era isolado.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

DINHEIRO NÃO É TUDO, VOCÊ É

Dinheiro é um meio
De se conseguir tudo aquilo que se deseja.

Porém, tem gente que acha que ele
É o objetivo final;
Tem gente aí que quebra mó pau por causa dele.

Idiotas!

Quem pensa assim nunca irá além das notas marcadas que,
Pensando bem, não valem nada;
Só valem aquilo que atribuímos a elas.

Dinheiro é o fim
Pra você que só pensa em tê-lo.

Dinheiro nada traz;
É você mesmo que faz.

Se o tem,
Tente não gastá-lo.
Se não o tem,
Tente consegui-lo
E verás bem
O que lhe digo.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

JOGANDO O JOGO DA CRIAÇÃO

Escrever poesia demanda uma criatividade tão excessiva que, às vezes, parece que o poeta está jogando dardo e tomando cerveja ao mesmo tempo. É tanta coisa que não faz o menor sentido pra gente que lê que ficamos besta diante do poema. Porém, isso é só no primeiro contato. Após reler e reler, a gente percebe outras coisas que faz a compreensão da gente crescer e enfim se expandir. Isso é ótimo! A criatividade só se completa quando o outro a pega/toma para si. Ler poesia é um bom exercício de empatia.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

MUNDO DE GENTE

No mundo dos excessos,
Quem não tem nada
É mais feliz,
E nem sabe.

No mundo das crises,
Quem recria
Tudo a sua volta
É deus de si mesmo.

No mundo perto do fim,
Quem morre
Nem se dá conta
E quem sobrevive
Ainda luta
Mais um dia
Pra pagar as contas.

Neste mundo de hoje,
O ontem é melhor
Do que o amanhã
Que não nos pertence.

- Tolos!
Não sabem de nada do tempo
Que escorre
Complacentemente
Enquanto se perdem
Em seus pequenos devaneios virtuais.

O mundo
Que a gente vive
É muito mais
Que isso
Que a gente é.
Basta se abrir
Pra ver.
Basta querer.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

"PESSOAS DE BEM"

Tem gente que se acha,
Acha tanto que não se encontra.
Tem gente que apronta
E acha que não vai ter queixa.

Pobrezinhos! Sempre haverá revolta
Na vida dos que peleja.
Afinal, esses só esperam a deixa
Pra cobrar de vez a conta.

Quem se diz de bem
Não é nada!
Nem bem cheira.

Quem contradiz, pestaneja;
É a luz que alumia a ignorância alheia.
Faz o bem sem olhar os vinténs.

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

FOLHAS SOLTAS AO VENTO

Repare bem nas folhas soltas,
Que voam com o vento.
Independentemente de seus conteúdos,
Elas voam alçando alturas

Nunca sequer imaginadas,
Até se perderem de vista;
Até se esquecerem do que havia nelas.
Seja receita de bolo ou

Contrato vitalício de fachada,
Elas voam e somem
De quem os rabiscou

E para quem eram destinadas.
Repare bem nas folhas soltas,
Pois elas se vão e não voltam mais.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

E A VIDA E A MORTE CONTINUAM DANÇANDO BOLERO (FRAGMENTOS)

Bebo saquê
Pra me esquecer
Que no mês que vem
Tem buquê.


(...)


Ao longe, ouvi um assovio
E, chegando perto, senti frio.
Era a Morte distribuindo beijos
Feito metralhadora alemã sobre Sarajevo.


(...)


arroz
rende

feijão
alimenta

farinha
complementa

fome
atroz

barriga vazia
oficina do Homem


(...)


Imagine
o mundo
o melhor possível
e tu verás
muita gente contra isso.


(...)


Curiosa é
a vida
de quem pensa que
a própria vida
não é tão curiosa assim.


(...)


Morrer faz parte, então vamos ao desenlace.


(...)


Pense na vida
e tu não a viverás o suficiente.

Apenas viva a cada dia
e perceberás a magia
que é estar vivo
um dia inteiro.


quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

TODA FAMÍLIA É UM ALGORITMO QUE NÃO FECHA

Não se sabe ao certo
Quando há de acabar
A vida serena de um lar.
Até lá, se faz sensato

Tentar manter a decência
Entre todos e a prudência
De conviver sem alarmante.
Ninguém precisa ficar preocupante,

Pois se até ali viveram bem,
Então, mais um pouquinho também.
Aí, quando tudo e todos explodirem,

Os estilhaços não doerão tanto,
Tampouco tanta gente ficará de pranto.
Ora ou outra famílias se partem.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

RAZÃO E EMOÇÃO NO MESMO CROMOSSOMO

As loucuras de
cada dia
se vêem em
cada gesto,
cada fala,
cada maneirismo próprio.

Já a razão
pouco se vê.

Em terra onde a barbárie impera,
quem tem aminoácidos
se faz permanecer.

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

PALAVRAS DO CRIADOR

O criador, de Salvador Dalí (Foto: Bruno Oliveira)


Da necessidade de criar,
Crio coisas, tantas coisas,
Que perco a conta
De tantas coisas que são.
Faço-as, às vezes, sem paixão.
E essas são apenas coisas.
Porém, têm coisas que saem realmente muito grandes!
Mas, quem as vê por aí, apenas diz:
Grandes coisas!
Dizem assim mesmo com desdém.
Fico triste, mas nem ligo tanto assim pra isso.
Tem coisas que não valem a pena se estressar.
Criar é a minha sina.
Monto cenas e destruo rascunhos.
No escuro, faço tudo que dá e não dá pra ser.
O que faço não é pra comer.
É mais pra entreter, sabes.
Criar coisas toma tempo.
Por isso, fico assim meio perdido
Quando se aproximam de mim
Pra pedir coisas que já fiz.
Ajo meio relutante diante desses que de mim se chegam,
Pois, se o que fiz já está feito,
Não tem como retroceder.
Tempo gasto nunca é recuperado,
Afinal sigo as minhas próprias leis.
Se um dia eu as aflijo, não serei eu.
Serei outro.
Com outro nome.
Outras leis.
Mas, ainda assim, um criador.
Você sabe quem eu sou?
Se não, nem importa.
Quem cria, desova.
Criaturas criadas têm vida própria.
Criador de coisas cria sempre coisas novas.
Tá sempre envolvido num bagulho novo.
Projetos têm aos montes!
O que falta é tempo,
Pois quem o tem, nem sente falta.
Quem cria tem o seu próprio tempo.
O meu aqui se acaba.
Mas, em breve,
Muito breve,
Um novo tempo se aproxima.
Coisas, muitas coisas,
Hão de surgir até o fim.
Este é só o começo.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

ROSETA

olho para o céu e penso:
há vida lá em cima?
digo: talvez

olho para a rua e vejo:
gente morrendo
penso: não há vida lá em baixo

olho para dentro e sinto:
dor
— vida e morte numa flor

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

HOSTILIDADE DO MERCADO EMERGENTE (FRAGMENTOS)

VENDE-SE FIADO,
MAS SE ASSASSINA FIADOR.

Se não gostou,
Vá-se embora!
Pois aqui não se aluga
Nem pra prostituta!

Em tempos como este,
A economia só reflete
O que já sabemos:
Tememos demais,
Vivemos de menos.


(...)

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Dica de música:


Doria só tem dentes na cidade dos zé ruelas
Doria só tem dentes na cidade dos zé ruelas
Doria só tem dentes na cidade dos zé ruelas
Doria só tem dentes na cidade dos zé ruelas
Doria só tem dentes na cidade dos zé ruelas
Doria só tem dentes na cidade dos zé ruelas

Comentário: queria eu um Spotify agora pra ouvir essa paródia oitentista...

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

2017 ROTAÇÕES POR MINUTO

Acerte o relógio
Com a mão mesmo
Ou com um tiro de fuzil.

Seja gentil.
Tia Nena fede
Mas paga em dia as nossas contas.

Viva o novo ciclo.
Seja ele regido por Saturno
Ou regado por sangue menstrual.

Seja legal
Com qualquer um.
Até com aquele vizinho ogro
Que te olha torto
Na portaria.

Dê pinta,
Mas seja discreta.
Em tempos conturbados,
Os enrustidos batem forte,
Pra matar,
Porque eles mesmos já não se aguentam
Reprimir.

Beba água
E
Faça xixi.
Tua saúde é mais importante do que gente fazendo cricri.