quinta-feira, 4 de maio de 2017

BLACK MIRROR

Olhava fixamente para si,
Criatura digna de apelo.
Na tela do pequeno aparelho,
Seu reflexo era um devaneio,
Seu rosto disforme não lhe agradava —
Defeitos demais numa só cara.
Foi aí, então, que teve uma ideia:
Desconfigurar o próprio rosto.
Não deu outra,
O pequeno aparelho deu pau.
Impossível, até pra tecnologia,
Consertar aquilo que não precisa ser consertado.
Todo ego acaba quebrado.