sexta-feira, 19 de maio de 2017

O RATO SOBRE A MONTANHA

Tua índole não me engana,
Sei bem quem tu és.
Se faz de santo pros fiéis,
Mas, pelas costas, pega a grana.

Seu conluio, hoje, a podridão emana
Todos veem, agora, o chorume em seus pés.
Não adianta mais negar o que há nos papéis.
Tua pessoa é, desde já, insana.

Seus rivais, seus inimigos,
Exigem um constitucional castigo,
Mesmo sabendo que isso seja difícil...

Quanto a seus amigos, esses fantoches,
Espalham, desde cedo, o deboche.
Afinal, negar a si mesmo é bem mais fácil.