quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Carência

Eu poderia falar sobre um domingo ensolarado e romântico no Parque do Ibirapuera, eu poderia descrever uma noitada boa lá no Bar Lisboa do Tatuapé, ou, até mesmo, comentar minha própria impossibilidade crônica e obrigatória de beber bebida alcoólica, mas não, não vou escrever nada dessas coisas. Por quê? Não sei bem. Não quero, talvez. Eu poderia deixar aqui registrado o meu desejo libidinoso em ver, apreciar os desenhos do Manara que estão descaradamente expostos na Oficina Oswald de Andrade? Eu poderia revelar o quão quero almoçar lá no Bom Retiro? Faz tempo que não bato perna por lá... Aquele restaurante de esquina, na Rua José Paulino com a Júlio Conceição, ainda existe? Os funcionários de antes, de quando eu trabalhava naquele bairro, ainda trabalham lá? E aquelas senhoras, simpáticas senhoras, da Casa do Pão de Queijo, da Rua dos Italianos, ainda servem quentes cafés por lá? Como estará o Bom Retiro que eu deixei? Estará ainda sujo e mui movimentado? A bomboniere que eu freqüentava quase que diariamente, da Rua Anhaia, ainda tá em plena atividade ou se fechou? E o Liceu Coração de Jesus, onde fiz meus estágios obrigatórios, como estará? O SESC que estavam construindo ao seu lado estará quase concluído? Ainda há moradores de rua adjacentes? Vícios e viciados perambulando pelas vielas? E a Doce Graça continuará doce quase de graça? E a Rua Prof. Cesare Lombroso, rua em que trabalhei, como estará? As mulheres lindas ainda desfilam por lá após às 13h? Sinto saudades dessas coisas. Careço de inspiração. Eh, definitivamente preciso revisitar o bairro do Bom Retiro. Quem sabe assim, colhendo lembranças por lá, dou de cara com as Ninfas. Essas me andam tão em falta ultimamente... Eh, tá decidido! Vou lá, neste sábado, dia 11/12. Quem quer ir comigo?!?