quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Do meu processo (3)

Fotos de: Andrew Richardson, Mark Bridger (Grosby Group), Robin Moore e @cutewildbaby


Engraçado. Ao postar o post anterior, percebi algo que, na verdade, já tinha percebi antes, porém, agora, acho que vale a pena torná-lo público. O caso é o seguinte: sapo. Sim, meu caro, tenho uma quantidade de posts consideráveis que tratam ou citam esse pequenino e fantástico animal. Curto pacas esse serzinho dito anfíbio. Não sei se consigo te explicar direito esse meu gosto, mas, cara, é mó barato esse bicho! Imagine só um girininho nadando todo serelepe num laguinho. Imagine ele crescendo, ganhando as patinhas traseiras e dianteiras. Imagine ele saindo da água e aprendendo a respirar fora dela. Imagine ele, já maiorzinho, pulando. Imagine só! Mó legal, né não? Acho que essa característica anfíbia dele me fascina. Ele vive tanto fora quanto dentro d’água, porra! Que maneiro, não? Imagine você transitar por dois mundos completamente diferentes. Imagine você se desenvolvendo todo nesses meio-ambientes. Adaptação é tudo de bom, meu chapa! Fora que, repare bem, todas, ou quase todas, as fotos tiradas que você vê de sapo por aí, mostram, ou fazem você achar, que eles estão sorrindo um sorriso cheio e meio faceiro. Também acho bárbaro o físico adaptadíssimo de excelente nadador que eles têm. Fora que aquele aspecto de pele rugosa e melequenta não me incomodam nem um pouco. Sério mesmo. Então, se você estiver aí de bobeira, e quiser, dê uma olhadinha nesses meus textos. Só clicar aqui nos links abaixo e coaxar de boa, digo, relaxar na lagoa... :) ;)