quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Relacionamento Profissional ou o RH Hoje

Por que será que ele reage de um jeito comigo e de outro com o patrão? Tudo bem, aqui não dou ordens, mas colaboro, sou parceiro, eu o ajudo e ele me ajuda. Aqui há um sistema colaborativo. Ele é o responsável, sou o seu auxiliar, e também o responsável, de certa forma, né não? Pois então, quando digo algo é algo certo, de confiança e de sinceridade. Não estou de sacanagem. Defendo meu ponto de vista quando estou certo, mas também admito meus erros. Por que ele não? Só porque está numa posição acima? Quando é o patrão que duvida dele, ele até aceita, até admite, a contragosto, seu erro; guarda para si sua raiva, e engole seco, mas quando é comigo não. Levanta até o tom de voz... Pra quê? Só pra deixar claro aqui quem é que manda? Talvez. Mas isso é desnecessário. Não quero aqui, neste ambiente profissional, colidir grandes egos até que os portadores deles implodam. Por que é tão difícil aceitar outra opinião? E por que sempre desprezá-la, menosprezá-la?? Só porque sou novo? Absurdo! Ele está com receio de que eu pegue seu emprego? De que eu faça o seu trabalho? Hoje, eu já o faço, mas, também, faço aqueles servicinhos chatos, que ele não quer fazer. Isso é justo? É ético? É correto? Não! Claro que não. Por que não há colaboração sincera aqui? Motivação?! Será que não vê que a empresa é nossa também? Podemos não ser os donos judiciais, dos quais ele tem medo, mas somos a empresa, nós a representamos, ora bolas. Minha opinião vale menos do que a do patrão? Não! Sabe o que isso aí está parecendo? Comodismo. Puro comodismo. É tão difícil assim sair do seu próprio espacinho? Tudo bem que cada um trabalha de um jeito, ele sabe disso, mas sempre se esquece disso nos momentos mais decisivos, nos momentos de grande atividade. Eh, nem todos sabem manter a calma, praticar a bendita serenidade. Mas é só tentar, pô! Que coisa. Parece até que gosta de ver o outro – eu! - sofrer amargamente durante um bocadinho do dia. Isso não é normal, ou humano, é? Sei lá, vai ver é isso mesmo, vai ver é prazer em desprezar. E isso é triste. Se continuar assim, aonde essa empresa vai parar, hein?!?