sexta-feira, 30 de março de 2012

A queixa do narrador abandonado

Queria te falar algo engraçado e divertido. Queria comentar contigo sobre a genitália que vi anteontem ou apenas descrever pra você sobre a minha cabaça danificada. Queria criticar o cotidiano que costumo ver ou fantasiar a respeito d'um fato real aí visto com grandes possibilidades de ser mais um fato ficcional. Mas o autor me impossibilita. Ele não me dá idéias. Ele não alimenta cá sua cria criativa, o narrador. Ele não anda fazendo sua lição de casa. Ou, em outras palavras, não anda dando no coro. Ou melhor, não anda pondo na lauda a caneta esferográfica-psicográfica. Um narrador, como eu, não pode ficar assim sem material pra, digamos assim d'uma forma simplificada, narrar. Se narro é porque o autor me põe pra narrar, oras. E se ele não anda dando conta do recado, que passe a mensagem d'uma outra forma ou pra alguém mais interessado em expor suas idéias de cachola e de camisolas. Assim exposto, a contragosto, pergunto: por acaso, você leitor, é um autor em potencial? Se sim, por favor, pegue este seu humilde narrador e lhe dê um bom serviço, sim? Careço urgentemente d'um mote! Amigo leitor, não permita assim qu’eu morra neste ponto final.