quarta-feira, 17 de julho de 2013

Trapaças, tretas e trepadas (ou um epílogo do Domingo no Parque de sempre)

Te vejo com outro e não me contento
Te ver receber alento de outro é um tremendo tormento!

Pensamentos homicidas me rondam a cabeça:

Mate
Corte
Esfole
Degole
Decapite
Trucide

Mas a tragédia à vista é mais forte que minha resistência!
O baque em te ver com outro põe por terra minhas forças

De joelhos, e em prantos, teimo ainda em fazer planos inumanos...
De joelhos ralados, te vejo sorrir feliz d’outro lado

O ciúme me consome, transborda-se diante de mim

Te vejo com outro e não me contenho,
Não me dou por satisfeito apenas vendo,
Abordo-os:

Grito
Vocifero
Bato
Espero

Atiro

e

Desespero

...

Te vejo ali morta,
Dura,
Fria feito ferro e,
Enquanto o outro rasteja e geme
Assustado amparando-se
Sobre o próprio sangue empapado
E sobre o teu também,
Desamparado,
Encosto minha cabeça desgrenhada no teu peito
Esquerdo

Sossego o meu ego ferido em ti
Assim
E dou o tiro
Que me juntará a ti
Enfim