sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

O clichê do revivamento: ou o trivial mais vital que eu conheço

Um dia a idade chega
E as pessoas queridas se vão.
Um dia desses é só Solidão.

Quem não o aceita,
Fica doido,
Se encolhe todo de desgosto.

Quem o compreende,
Fica até contente,
Mas nunca o suficiente.

Saudades a gente sente
Nas horas mais inesperadas pelo ausente.
Mas essa falta invocada do nada
É tudo que temos de mais precioso,
Pois é delicioso se lembrar
Daquilo muito que vivemos juntos.

Recordar de quem se foi
Pode doer,
Pode até machucar,
Mas é bem melhor dias assim
Do que nenhum que se queira comemorar.

Assim, deixo cá o meu acalento:
Só fenece aquele que se põe no esquecimento.