quinta-feira, 23 de julho de 2015

Meu processo retroativo na confecção de poemas

Escrevo ao acaso
Em busca de inspiração...

Que tolice.
Tem coisa que não tem explicação.

Escrevinhar só não adianta.
É preciso ter alguma ideia em mente,
Alguma coisa de envolvente,
Alguma coisa assim de parar o transito,
Entende?

Mas que bobagem essa minha...
Tem poema que é melhor deixar em banho-maria.
Deixá-lo ali de molho às vezes é melhor do que dizê-lo 'pronto!'.

Tem poema que só fica bom de um dia para o outro,
Tipo bolo, tipo torta e não tipo pastel.
Tem poema que necessita ficar de repouso sobre o papel.