domingo, 23 de maio de 2010

Revelações

Ela surge derrepente, exibindo de forma atrevida suas asinhas prateadas reluzentes. Conforme caminha, nesta terra profana, seu par de asas tremeluz constantemente; fico deslumbrado, atraído. Mas, tal divindade celeste, não é puro-sangue, é híbrida. Suas pernas generosas são negras; de um negro envernizado e convidativo. Apalpá-las eu adoraria. Contudo, não posso, e nem devo, pois, esse anjo provocativo, não aceita abordagens, apenas curti revelar-se, interpor-se no caminho aprazível de uma alma caridosa. E quando ela desaparece de repente, é aí então que me perco. Acabo perambulando a esmo pelas aléias torpes da cidadela, procurando o mesmo par de asas, o mesmo par de pernas, mas só encontro harpias, esfinges, galinhas.

...

Minha Mãe é a minha melhor referência.

...

Máxima feminina no metrô: “tem vezes que a gente sente Tesão e tem vezes que a gente sente vontade.”